img

Desejo sexual: principais cuidados para não diminuir a libido

Conheça alguns fatores que podem interferir na sua vontade de fazer sexo

Estresse

Algumas pessoas conseguem realizar bem muitas atividades quando estão estressadas. Contudo, sentir-se sexy geralmente não é uma delas. O estresse no trabalho, em casa ou nos relacionamentos pode acontecer com qualquer pessoa. Aprender a lidar com isso de forma saudável pode ajudar consideravelmente, seja sozinho ou com o auxílio de um médico.

 

Problemas com o parceiro

Os problemas com o parceiro estão entre os principais culpados da perda do desejo sexual e da libido. Para as mulheres, sentir-se próxima é uma parte importante do desejo. Para ambos os gêneros, fique atento a consequências de brigas, falta de comunicação ou comunicação deficiente, sentimentos de insegurança ou outros problemas de confiança. Se for difícil conversar sobre o assunto com o parceiro, fale com um terapeuta de casais.

 

Álcool

Uma bebida pode fazer você se sentir mais aberto ao sexo. Porém o álcool em excesso pode suspender seu desejo sexual. Sem contar que estar muito bêbado também pode ser desagradável para seu parceiro. Se você tiver problemas com bebidas alcoólicas, procure ajuda médica.

 

Problemas de sono

Se sua libido está diminuindo, pode ser que você não esteja dormindo o suficiente. Você vai para a cama muito tarde e levanta muito cedo? Você tem problemas de sono, como dificuldade para adormecer ou permanecer dormindo, ou alguma condição como apneia do sono? Qualquer coisa que atrapalhe uma boa noite de descanso pode atrapalhar o sexo. A fadiga pode esgotar os sentimentos sexuais. Preste atenção e trabalhe em seus hábitos de sono e, se isso não ajudar, converse com seu médico.

 

Ter filhos

Calma! Antes de conclusões precipitadas, você não perde seu impulso sexual depois de se tornar mãe ou pai. No entanto, cuidar de uma criança exige muito tempo e disponibilidade que, na hora da cama, o cansaço pode falar mais alto. Sendo assim, contrate uma babá para cuidar de seu filho por algum tempo para que você e seu parceiro possam ter um tempo a sós. Caso seu filho seja um bebê ainda, pode experimentar fazer sexo durante a hora da soneca do bebê.

 

Medicação

As drogas podem atrapalhar e acarretar na diminuição do desejo sexual, que estão presentes em alguns destes tipos de medicamentos:

  • Antidepressivos;
  • Medicamentos para pressão arterial;
  • Pílulas anticoncepcionais;
  • Quimioterapia;
  • Medicamentos anti-HIV;
  • Finasterida.

Mudar de medicamento ou dosagem pode ajudar, mas primeiro pergunte ao seu médico sobre isso e nunca pare de tomar qualquer medicamento por conta própria. É importante ter uma relação de confiança com seu médico, para que você consiga falar abertamente sobre esse assunto, sem vergonha. Informe-o também se o seu desejo sexual parar ou diminuir, caso você comece a tomar um novo medicamento.

 

Problemas com autoestima e inseguranças

Sentir-se sexy pode ser mais fácil se você gosta de sua aparência. Trabalhe para aceitar seu corpo como ele é hoje, mesmo que esteja trabalhando para entrar em forma. Sentir-se bem consigo mesmo pode colocá-lo no clima. Se seu parceiro tem baixa autoestima, seja paciente e ajude-o com suas inseguranças. Isso pode fazer uma grande diferença. Além disso, terapia também pode ajudar a resolver problemas de imagem.

 

Obesidade

Quando você está com sobrepeso ou obeso, o desejo geralmente diminui. Pode ser que você não goste de sexo, não consiga ter o desempenho que gostaria ou seja impedido por uma baixa autoestima. Trabalhar sobre como você se sente sobre si mesmo, com um psicólogo, se necessário, pode ajudar bastante.

 

Problemas de ereção

Homens com disfunção erétil geralmente se preocupam muito sobre como serão capazes de se comportar sexualmente, e essa preocupação pode acabar atrapalhando seu desejo sexual. Esse problema pode ser tratado com ajuda médica e os casais também podem trabalhar para evitar que isso afete seu relacionamento.

 

Testosterona

A testosterona é o principal hormônio masculino e estimula o desejo sexual. Conforme os homens envelhecem, seus níveis desse hormônio podem cair um pouco. Nem todos perdem a libido quando isso acontece, mas alguns sim. Contudo, muitas coisas podem afetar os níveis de testosterona de um homem, então não existe uma resposta única para todos.

 

Depressão

Estar deprimido pode bloquear o prazer em muitas coisas, incluindo o sexo. Esse é um dos muitos motivos para obter ajuda. Se o seu tratamento envolver medicamentos, informe ao seu médico se o seu desejo sexual está baixo, uma vez que alguns - mas não todos -  medicamentos para a depressão tem como efeito colateral a diminuição da libido. Converse sobre isso com seu terapeuta também. 

 

Menopausa

Para muitas mulheres, o desejo sexual diminui quando chega o período da menopausa. Em parte, trata-se de sintomas como secura vaginal e dor durante o sexo. Contudo, cada mulher é diferente e é possível ter uma ótima vida sexual após a menopausa cuidando do relacionamento, da autoestima e da saúde em geral.

 

Falta de proximidade

Fazer sexo sem se sentir próximo da pessoa pode diminuir o desejo. A intimidade vai além do que apenas o ato sexual. Se sua vida sexual está ociosa, tente passar mais tempo “não sexual” junto da pessoa, só vocês dois. Converse, aconchegue-se, troque massagens. Encontre maneiras de expressar amor sem fazer sexo. Aproximar-se pode reconstruir seu desejo sexual.

* Esta ferramenta não fornece aconselhamento médico. destina-se apenas a fins informativos gerais, não pretende concluir nenhum diagnóstico e não aborda circunstâncias individuais. Não é um substituto do aconselhamento ou acompanhamento de profissionais da saúde. Alertamos que o diagnóstico e o tratamento não devem ser baseados neste site para tomar decisões sobre sua saúde. Jamais ignore o conselho médico profissional por algo que leu no www.saude.com.br. Se tiver uma emergência médica, ligue imediatamente para o seu médico.

Esta matéria pertence ao acervo do saude.com.br

brand

Um infinito de informações: saúde, meio ambiente, inclusão social, qualidade de vida e mais...