um infinito de informações: saúde, meio ambiente, inclusão social, qualidade de vida e mais...

Os obstáculos da inclusão social para portadores de Síndrome de Down

Uma das maiores dificuldades de pessoas portadoras de Síndrome de Down está relacionada a inserção da mesma na sociedade. Porém, apesar de difícil, não é impossível, e o papel dos pais e professores é fundamental nessa caminhada

img

A Síndrome de Down é um acidente genético que ocorre durante o desenvolvimento do feto, fazendo com que a criança nasça com 47 cromossomos, ao invés dos 46, divididos em 23 pares, que uma célula humana normal possui. Esse mal também pode ser chamado de Trissomia 21, devido ao fato de que o material cromossômico excedente está ligado ao par número 21.

 

No entanto, na maioria das vezes o preconceito é maior que a doença, começando, inclusive, nos próprios pais que, após o choque da notícia, necessitam de mais ajuda do que a criança que está para nascer. É importante que a pessoa com a síndrome receba estimulação para se desenvolver desde o nascimento. A família deve ser orientada sobre como proceder com ela em casa dentro da rotina familiar. Embora seja necessário ter maior firmeza e tolerância, é importante não cercá-la de cuidados excessivos e muita proteção. Apesar de ter algumas limitações, ela não deve ser o centro da família e sim uma parte dela, como todas as outras pessoas.

 

Após os cuidados naturais e especiais com a própria saúde que um portador de síndrome de down receberá durante toda a vida, o problema maior passa a ser a sua inclusão na sociedade, ainda muito preconceituosa. Uma das maiores aflições que envolve os pais consiste no desenvolvimento do potencial cognitivo da criança, visto que esta síndrome traz como consequência uma deficiência intelectual. Em função disto, a entrada dos filhos na escola, tanto na educação infantil, quanto no ensino fundamental, representa um momento marcante para todos. Há um questionamento natural se devem ou não colocá-los em uma escola e se essa deve ser regular ou especial.

 

A aprovação da Lei de Diretrizes Educacionais - LDB (Lei 9394/96) - estabeleceu, entre outros princípios, o de igualdade e condições para o acesso e permanência na escola e adotou nova modalidade de educação para alunos com necessidades especiais. Desde então, a temática da inclusão vem rendendo, tanto no meio acadêmico quanto na própria sociedade, novas e acaloradas discussões embora, ainda, carregue consigo sentidos distorcidos.

 

Se de um lado a criança portadora da Síndrome de Down tem muito a ganhar em termos socioafetivos permanecendo no ensino regular, na maioria das vezes, estas escolas têm poucas alternativas para oferecer a estes alunos na apreensão dos conteúdos em sala de aula. Em contraste, as escolas especiais que cada vez mais são escassas, no entanto, focam mais no seu aprendizado formal, usando ferramentas adequadas para a sua aprendizagem. Assim, os pais, para escolherem o tipo de escola que vão colocar os filhos, terão que pensar nas habilidades e interesses da criança, tendo coerência com as crenças e modelos familiares, como aconteceria com qualquer outra criança “normal”.

 

Os portadores da Síndrome de Down levam mais tempo para se desenvolver e, portanto, precisam de um currículo mais diluído. Elas têm, em geral, um perfil de aprendizagem específico com pontos fortes e fracos característicos. Saber dos fatores que facilitam e inibem o aprendizado permite aos professores planejar e levar adiante atividades relevantes e significativas e programas de trabalho. O perfil de aprendizado característico e estilos de aprendizado, junto com suas necessidades individuais e variações do perfil devem ser considerados.

 

Há muitas razões para que uma criança com Síndrome de Down frequente uma escola comum. Cada vez mais pesquisas têm sido publicadas e o conhecimento sobre as suas capacidades e potenciais de serem incluídos com sucesso tem aumentado. Ao mesmo tempo, os pais têm se informado mais sobre os benefícios da inclusão, que é não discriminatória e traz tanto benefícios acadêmicos quanto sociais.

 

Acadêmicos

- Pesquisas mostram que as crianças se desenvolvem melhor academicamente quando trabalham num ambiente inclusivo

 

Social

- Oportunidades diárias de se misturar com seus parceiros com desenvolvimento típico proporcionam modelos para comportamento de acordo com a faixa etária

- As crianças têm oportunidade de desenvolver relações com crianças de sua própria comunidade

- Ir à escola comum é um passo chave em direção à inclusão na vida comunitária e na sociedade como um todo.

 

A figura do professor neste contexto é ainda mais relevante, uma vez que este é desenvolvedor das ações mais diretas no processo de inclusão. Lida com as diferenças e preconceitos por parte de pais e alunos, com as expectativas e possíveis frustrações dos familiares portadores da síndrome, com as limitações e alcances dos próprios portadores, dentre outras.

 

A inclusão bem-sucedida é um passo importante para que crianças com necessidades educacionais especiais se tornem membros plenos e contributivos da comunidade, e a sociedade como um todo se beneficia disso. Os colegas com desenvolvimento típico ganham conhecimento sobre deficiência, tolerância e aprendem como defender e apoiar outras crianças com necessidades educacionais especiais. Contudo, a experiência mostra que um dos ingredientes mais importantes na implementação bem-sucedida de um aluno com necessidade de aprendizagem específica é simplesmente a vontade dele mesmo de que isso ocorra. A atitude da escola como um todo é, portanto, um fator significativo. Uma atitude positiva resolve problemas por si só. As escolas precisam de uma política clara e sensível sobre inclusão de sua direção e coordenação, que devem ser comprometidas com esta política e apoiar seus funcionários, ajudando-os a desenvolver novas soluções em suas salas de aula.

 

Mais de 300 mil crianças com alguma deficiência estão matriculadas em colégios regulares e outras 342 mil em escolas especiais. O desafio a ser enfrentado pela sociedade é como unir esses universos, garantindo que alunos sejam efetivamente incluídos e atendidos em suas especificidades.

 

O portador da síndrome de down é capaz de compreender suas limitações e conviver com suas dificuldades. A maioria deles tem autonomia para tomar iniciativas, não precisando que os pais digam a todo momento o que deve ser feito. Isso demonstra a necessidade/possibilidade desses indivíduos de participar e interferir com certa autonomia em um mundo onde "normais" e deficientes são semelhantes em suas inúmeras diferenças.

* Esta ferramenta não fornece aconselhamento médico. destina-se apenas a fins informativos gerais, não pretende concluir nenhum diagnóstico e não aborda circunstâncias individuais. Não é um substituto do aconselhamento ou acompanhamento de profissionais da saúde. Alertamos que o diagnóstico e o tratamento não devem ser baseados neste site para tomar decisões sobre sua saúde. Jamais ignore o conselho médico profissional por algo que leu no www.saude.com.br. Se tiver uma emergência médica, ligue imediatamente para o seu médico.

  • Esta matéria pertence ao acervo do saude.com.br