img

Nutrição e Qualidade de Vida: Por Que Procurar um Nutricionista?

A nutricionista Monica Dalmasio reitera a importância de um acompanhamento nutricional regular e lista os seus benefícios para a saúde

Sumário

Quando Procurar um Nutricionista?

Qual a Importância da Orientação e do Acompanhamento do Nutricionista?

Como Ter um Estilo de Vida Mais Saudável?

Como Mudar os Hábitos Alimentares e Superar as Dificuldades?

Problemas das Dietas Restritivas

Diferencial dos Produtos Orgânicos

 

Quando Procurar um Nutricionista?

A principal função do nutricionista é a prescrição da alimentação. Diferentemente dos profissionais de nutrologia e de endocrinologia, o profissional de nutrição é o único reconhecido pelo Ministério da Saúde como apto a prescrição dietética. Contudo, muitas pessoas acreditam que só devem procurar um nutricionista quando estão tentando emagrecer.

“Nutrição não é emagrecer. A faculdade de nutrição é uma faculdade da área médica. A gente estuda o corpo humano, anatomia, fisiologia, as células, a bioquímica… A partir do segundo ano é que começamos a estudar especificamente as doenças e o tratamento através da alimentação. A faculdade de nutrição é uma faculdade de atendimento de doenças, não de emagrecimento. Então, o profissional de nutrição é alguém que ajuda você a controlar o seu colesterol, por exemplo”, explica a nutricionista Monica Dalmasio.

A profissional explica que o paciente que tem apenas o intuito de perder peso deve procurar um especialista com pós-graduação em áreas mais específicas. “A população como um todo entende que o nutricionista foi feito para emagrecer. Para o emagrecimento, você precisa fazer uma especialização na área de nutrição esportiva, na área de nutrição clínica, ou até mesmo na área de alimentos funcionais”.

 

Qual a Importância da Orientação e do Acompanhamento do Nutricionista?

Como o nutricionista é responsável pela orientação sobre a importância da ingestão adequada de nutrientes, os benefícios do acompanhamento nutricional são diversos. Além de planejar uma dieta que se adapte com o organismo e o estilo de vida de cada pessoa, o profissional de nutrição auxilia nas escolhas saudáveis e melhora diversos aspectos na vida de um indivíduo.

Segundo Monica, “o nutricionista é um profissional para acompanhar a sua saúde como um todo, não só para emagrecer”. Ter uma consulta regularmente com um profissional de nutrição - online ou presencial - pode ajudar na melhora da relação do paciente com os alimentos, ajudar na prevenção de diversas doenças e auxiliar, ainda, na prática do autoconhecimento do próprio corpo.

 

Como Ter um Estilo de Vida Mais Saudável?

Para a nutricionista, existem três pontos importantes para viver uma vida mais saudável: o primeiro é dormir e acordar cedo, sempre até às 8 horas da manhã, para acompanhar o ciclo hormonal natural. “Quem dorme muito tarde, depois das 11 horas, e acorda depois das 8 horas, já começa com um estilo de vida não saudável, pois os hormônios não são liberados de forma natural”, esclarece.

O segundo ponto importante é a prática regular de atividade física. Para viver um estilo de vida mais saudável, é essencial que o indivíduo seja uma pessoa ativa que pratique qualquer exercício físico que goste, seja musculação, aeróbico, algum esporte ou apenas caminhada. De acordo com a especialista, “nós somos animais e animais precisam de movimentação. Se você deixar seu cachorro trancado dentro de casa o dia inteiro, ele fica obeso, sedentário, diabético, hipertenso e com todos os problemas, como qualquer animal que não se movimenta”.

O terceiro e último ponto é, evidentemente, manter uma boa alimentação. Os exageros precisam ser a exceção, e não a regra. Tomar um copo de refrigerante e em seguida comer uma maçã não consegue anular o efeito. “Uma coisa ruim não pode ser substituída ou resolvida porque você comeu uma maçã. É uma decisão de vida, de não comer mais açúcar, fritura ou não tomar mais refrigerante. Você precisa tomar uma decisão de que quer viver mais saudável e de que esses alimentos lhe fazem mal”, afirma a profissional de nutrição.

 

Como Mudar os Hábitos Alimentares e Superar as Dificuldades?

Monica Dalmasio acredita que a questão principal para o sucesso na mudança de hábitos alimentares, e de qualquer mudança na vida, é a vontade do paciente. Não adianta a vontade vir de terceiros, seja por alguém da família, amigo, namorado ou cônjuge. Para os resultados aparecerem de verdade, é preciso que o paciente tenha realmente vontade própria de mudar.

“Eu não gosto de atender ninguém que venha porque a mãe mandou, ou porque a tia pagou a consulta. A pessoa tem que querer, tem que buscar ajuda porque ela percebe que precisa de alguma coisa, seja uma alimentação mais saudável ou a busca pela solução de alguma doença ou de algum problema. Então, para você ter realmente resultado, é necessário que você tenha vontade”, expõe a nutricionista.

 

Problemas das Dietas Restritivas

As dietas restritivas são um assunto complexo no mundo da nutrição. Enquanto alguns profissionais as recomendam, outros as abominam, por diferentes motivos. Além dos gatilhos psicológicos em relação à comida que as restrições podem causar em algumas pessoas, a especialista traz uma explicação biológica para justificar o motivo das dietas restritivas serem um problema.

“Eu não gosto [de dietas restritivas], porque você perde muita massa muscular. A cada quilo que você emagrece com uma alimentação saudável e com a prática de atividade física, você perde metade músculo, metade massa gordurosa. Você não consegue emagrecer só gordura, sempre perde massa muscular também. Então, quando o paciente quer fazer uma dieta muito restritiva, só de proteína, tirando o carboidrato, a perda de massa muscular é mais alta. Ele perde muito mais músculo do que gordura. E aí quando você para com essa dieta restritiva, você tem menos músculo e o seu gasto de energia por dia está mais baixo, ou seja, a sua taxa metabólica basal caiu. Com isso, você precisa cada vez de menos energia para viver, e mais rapidamente você recupera o peso”, explica Monica.

 

Diferencial dos Produtos Orgânicos

Os produtos orgânicos são aqueles produzidos sem a presença de agrotóxicos e adubos químicos. Essa prática foi iniciada com o cultivo da alface e de outros vegetais, e hoje a produção envolve legumes em geral, frutas e até bebidas como café e vinho. Normalmente, os alimentos orgânicos são vendidos em feiras e hortifrutis, sempre especificando que aquele produto é orgânico. Também costumam ser mais caros do que os vendidos em supermercados.

Entretanto, segundo a profissional de nutrição, os produtos orgânicos fazem, sim, muita diferença. Trazendo novamente uma explicação biológica, ela explica que as plantas precisam do Sol, do solo e da água para sobreviverem, e produzem alguns nutrientes como mecanismos de defesa. Então, uma planta cheia de agrotóxicos e que vive em um “mundo perfeito”, com água e iluminação controladas, possui menos agressores. Consequentemente, essa planta produz menos nutrientes - principalmente vitaminas, já que os minerais são encontrados no solo.

“Eu como muita fruta e muito vegetal, mas normalmente não como tudo orgânico. Eu como muito na rua hoje em dia, tenho cinco empregos, não tenho tempo. Então, acabo comendo na rua e minha vitamina C ficou muito baixa. A minha carência nutricional é um reflexo de uma alimentação não orgânica, e eu acabo tendo que complementar com cápsula”, finaliza e conclui a nutricionista Monica Dalmasio.

* Esta ferramenta não fornece aconselhamento médico. destina-se apenas a fins informativos gerais, não pretende concluir nenhum diagnóstico e não aborda circunstâncias individuais. Não é um substituto do aconselhamento ou acompanhamento de profissionais da saúde. Alertamos que o diagnóstico e o tratamento não devem ser baseados neste site para tomar decisões sobre sua saúde. Jamais ignore o conselho médico profissional por algo que leu no www.saude.com.br. Se tiver uma emergência médica, ligue imediatamente para o seu médico.

Esta matéria pertence ao acervo do saude.com.br

brand

Um infinito de informações: saúde, meio ambiente, inclusão social, qualidade de vida e mais...