um infinito de informações: saúde, meio ambiente, inclusão social, qualidade de vida e mais...

Piercing oral: é seguro?

Ao tomar a decisão sobre botar ou não um piercing, muitas pessoas estão pensando apenas na parte estética do processo, porém, especialistas alertam para os perigos a saúde causados pelos piercings orais

img

Os problemas causados pelo uso prolongado do piercing na língua, na bochecha, na campainha e nos lábios não são tão discutidos pela odontologia, hoje. Existem poucos estudos sobre este assunto na literatura odontológica, mas é fato que as estruturas orais perfuradas apresentam um alto risco de infecção devido à grande quantidade de bactérias na boca.

O cirurgião dentista Jefferson Vinícius Bozelli, especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial, afirma que o uso contínuo do piercing oral e, consequentemente, a constante agressão da mucosa bucal que este ornamento causa, pode ocasionar uma leucoplasia – lesão de mancha branca na região da mucosa bucal - que é cancerizável. Dr. Bozelli publicou, em março, uma revisão literária sobre a problemática que atinge os usuários de piercing na Revista do Instituto das Ciências da Saúde da Universidade Paulista, a fim de orientar os dentistas sobre as consequências na mucosa bucal, nos dentes e nos tecidos de sustentação, pois o número de usuários de piercing oral aumenta a cada ano.

Dr. Bozelli também chamou a atenção para as pessoas que aplicam este objeto porque, segundo o especialista, “a maioria não domina todos os conhecimentos apropriados sobre a esterilização dos equipamentos que se utilizam para a perfuração”. Outro grande risco está ligado aos portadores de cardiopatias. Para pessoas com doenças do coração, a língua agredida pelo piercing é uma porta permanentemente aberta para as infecções.

Em entrevista concedida ao Portal Saude, o cirurgião dentista Jefferson Bozelli, que é mestrando em Clínica Infantil e Ortodontia, esclarece as principais dúvidas ligadas ao piercing oral e dá dica sobre a higienização adequada para os usuários.

 

Quais as consequências que cada tipo de piercing oral pode acarretar?

Dr. Jefferson Bozelli: Todos os tipos de piercings trazem algum tipo de complicação ao usuário. Entretanto, alguns são mais agressivos por causa do seu formato estrutural, sua constituição e localização na cavidade bucal. O piercing de língua “Barbell” é o que exprime maior preocupação, pois normalmente está localizado no dorso ventral da língua, que é uma região intensamente vascularizada e com uma quantidade enorme de movimentos (músculo). Assim, as consequências da instalação deste piercing vão desde o ato da perfuração à hemorragia, ao risco de infecções, ao edema, a linfonodopatias, à dificuldade na fala, a mastigação e à deglutição, à possibilidade de aspiração dos componentes do piercing, além de complicações locais, como: trauma aos tecidos de sustentação, quebra, trincas e fraturas coronárias. Já os outros tipos de piercing, como o de lábios, bochechas e freios, são tão agressivos quanto o lingual, mas se localizam em regiões menos suscetíveis a traumas.

 

Pessoas com problemas de coração podem usar o piercing oral? Há riscos?

Dr. Bozelli: Na verdade, o piercing oral não é aconselhável a ninguém, embora pacientes portadores de cardiopatias estejam mais suscetíveis a infecções oriundas da cavidade oral, e o piercing é uma porta permanente aberta para infecções. Existem, descritos na literatura, alguns casos de complicações graves de cardiopatias ligadas ao uso de piercing oral.

 

É verdade que pode causar câncer?

Dr. Bozelli: É fato que o piercing é uma agressão local, que pode modificar os tecidos da cavidade bucal, transformando-os numa lesão com aspecto branco (leucoplasia), e toda leucoplasia pode se tornar um câncer. Portanto, o piercing pode ser um dos fatores para o câncer bucal.

 

Qual é a higienização adequada tanto para o piercing na língua como na bochecha e nos lábios?

Dr. Bozelli: Para todos os tipos de piercing é aconselhável a remoção do artefato pelo menos três vezes ao dia para sua escovação com solução de clorexidina a 0,12%, durante a higiene oral. A clorexidina é uma substância bactericida, agindo, assim, na diminuição do risco de infestação do ornamento por bactérias nocivas e diminuindo, consequentemente, o risco de infecções causadas pelo uso dos ornamentos.

 

Que mal o cigarro e o álcool podem causar para os usuários do piercing oral?

Dr. Bozelli: É sabido que o álcool e o cigarro são causadores de câncer bucal, pela sua ação química e física. Portanto, o uso de um piercing que também é um agente agressor bucal pode aumentar a possibilidade de se adquirir um câncer bucal.

 

Se o material usado para a aplicação do piercing estiver esterilizado, há risco?

Dr. Bozelli: Sim, há riscos se o paciente apresentar alguma deficiência imunológica, pois a infecção será decorrente de bactérias oriundas da cavidade oral e do trato gastro-respiratório. Os casos mais comuns de infecção pelo piercing estão ligados a inadequados processos de esterilização.

 

O Sr. já tratou de algum caso de paciente infectado? Poderia descrever o que ocorreu e como foi o tratamento?

Dr. Bozelli: Sim, não infectado, mas portador de piercing oral (lingual). O melhor conselho que se pode dar é a remoção do artefato. Embora, normalmente, os portadores de piercing sejam resistentes à remoção, pois a própria utilização do piercing é uma forma de contestação da sociedade vigente.

 

O que o Sr. recomenda para as pessoas que desejam colocar piercing?

Dr. Bozelli: Primeiramente, informe-se dos riscos que começará a sofrer em sua saúde bucal e geral. Se estiver disposto a correr estes riscos, procure um local apropriado para a instalação do artefato. Posteriormente, realizar os processos de higiene da cavidade bucal e do piercing regularmente e, sempre, (de 6 em 6 meses) visitar seu dentista para que possa avaliar a saúde bucal.

* Esta ferramenta não fornece aconselhamento médico. destina-se apenas a fins informativos gerais, não pretende concluir nenhum diagnóstico e não aborda circunstâncias individuais. Não é um substituto do aconselhamento ou acompanhamento de profissionais da saúde. Alertamos que o diagnóstico e o tratamento não devem ser baseados neste site para tomar decisões sobre sua saúde. Jamais ignore o conselho médico profissional por algo que leu no www.saude.com.br. Se tiver uma emergência médica, ligue imediatamente para o seu médico.

  • Esta matéria pertence ao acervo do saude.com.br